quarta-feira, 29 de abril de 2009

P162-A Clínica de Bor e a Tabanca de Matosinhos II

Hoje o almoço da Tabanca de Matosinhos foi muito mais que confraternização de amigos
Tomou-se colectivamente uma decisão que irá ter reflexos indubitavelmente muito importantes na vida de muitas das crianças guineenses que se encontram hospitalizadas na Clínica de Bor.
Cada semana tem-se vindo a pagar a mais para além do custo do almoço, 3 €, montante que até agora têm sido canalizados para o custo do almoço do António Batista, libertando-o desse encargo semanal sem o privarmos da nossa companhia, sendo o restante quase na sua totalidade canalizado para o jogo do Euromilhões.
Pois a partir de hoje, este excesso será aplicado unicamente numa aposta simbólica de 10 € semanais sendo o restante amealhado para mensalmente ser entregue ao Dr. Augusto Bidonga Director Clínico da Clinica de Bor que lhe dará o destino que julgar mais conveniente.
Tornamos assim o nosso almoço de confraternização semanal num almoço de benemerência onde inclusive, cada um pode oferecer o quantitativo que quiser para ajudarmos na sobrevivência da Clinica de Bor e de todos quantos nela trabalham pela luta contra as doenças graves das crianças Guineenses.
Os quantitativos recebidos e enviados serão sempre justificados pelo Dr. Bidonga pelo que saberemos em todo o tempo qual o destino que as nossas dádivas têm, lá por terras de Bissau.
Ora digam lá se não é uma excelente ideia?
Álvaro Basto

P161-Os 26 anos do Guimarães

Vejam como o nosso amigo Guimarães se divertiu na festa dos sesu 26 anos....hoje no nosso almoço.


terça-feira, 28 de abril de 2009

P159-Afinal o que é a Clínica Pediátrica de Bor?

A solidariedade demonstrada pelos camaradas da Tabanca de Matosinhos na criação de uma Bolsa de Famílias de Apoio a crianças Guineenses oferecendo apoio gratuito a todos quantos tenham de se deslocar a Portugal para serem operadas foi um acto exemplar e nobre do qual sinto um enorme orgulho.
Mas afinal o que é a Clínica Pediátrico de Bor?
Podem ver aqui um vídeo para ficarem com uma ideia mais consolidada.
A lista continua a aumentar e contamos poder passa-la para o Dr. Fernando Giesteira e para o Dr. Augusto Bidonga muito brevemente.
Álvaro Basto


quinta-feira, 23 de abril de 2009

P156- Aniversários

O David Guiarães faz anos amanhã...

Companheiro de Xitole e de grandes violadas....

Quem quiser dar-lhe os parabens .. pode deixar aqui a sua mensagem....

Para ele vai um grande abraço

Álvaro Basto

P154-Mais uma Quarta cheia de surpresas

O corropio de caras novas e outras menos novas, continua, na sala das traseiras do restaurante Milho-Rei todas as quartas-feiras.
Fomos 37 ao todo desta assentada.
E que alegria e que animação e que... barulho...
A animação foi tante que durou até, já passava das 16.
Vejam por vós aqui nas fotos:

Aspecto geral ainda antes da função.. iriam chegar muitos mais


O Dr. Augusto Bidonga e o Zé Armando Almeida de 70/72-Banbadinca

O Jorge Felix e o Dr. Fernando Giesteira Gonçalves recentemente chegado de Bissau com noticias frescas


Em primeiro plano o Nascimento e o Eduardo Santos (cara nova) ambos de 68/70 - T.Pinto, Cacheu, Bissau




O simpático casal Gonçalves, o Fernando e a Lucinda que irão em breve encetar mais uma corajosa aventura de vida em Bissau


O Casal Alves, a Conceição e José (Leça) que ainda recentemente foram e voltaram à Guiné de carro Ao lado o nosso autarca de serviço.. o Carvalho


Outros dois grandes compinchas, o Victor Ferreira à esquerda que trouxe o Eduardo Santos camaradas de 68/70 em Teixeira Pinto etc..


Os dois irmãos Giesteira Fernandes e a Lucinda Silva



O Humberto Rebelo e eu em amena cavaqueira


O Pimentel à esquerda a trocar impressões com a Ana a esposa do Osório (que estava sentado em frente) Conheceram-se na recente viage à Guiné que fizeram


O Felix reencontrou o seu velho amigo Humberto Rebelo à sua esquerda e estava mesmo felix ou seria feliz?


Da dir. p/ a esq. o Luciano Rocha que viveu 16 anos em Bissau ao lado do Marques Lopes. Tantas histórias para contar
Mais adiante o Zé Firmino que começa a ser uma presente assidua na tertúlia . Mais adiante o Mesquita e o Barbosa



Em primeiro plano o Armando, grande camarada do Xico que acompanhou em Bissau os nossos tertulianos que recentemente se deslocaram de carro à Guiné.


Mais uma imagem do Zé Alves (Leça), da esposa Conceição e do Carvalho de Medas


Da esquerda para a direita o Jorge Cruz, o Nascimento, o Tomás Rocha, e o Barbosa



Mais uma imagem da confraternização. De pé à esq. o Osório e em primeiro plano o Eduardo Santos




O bem disposto doXico a fazer "fitas" como de costume e em baixo o Dr. Augusto, o Osório, o Zé Manel e o Guimarães



O Victor Ferreira que lançou a ideia da criação da bolsa de familias de acolhimento a falar aos presentes . O Carvalho a ouvir atentamente a ver se aprende (Ai as eleições....)


O Dr. Fernando Giesteira a falar sobre as necessidades da Clinica de Bor e a Ana a escuta-lo atentamente



Mais um aspecto da amena cavaqueira

O Dr. Augusto a aconselhar o internamento urgente do Silvério e o Carmelita a concordar plenamente....!!!!



A Lucinda a transmitir à Ana o segredo da juventude que a vai levar a lançar-se em breve muma nova vida em Bissau. Posso afirmar que o copo à frente da Lucinda não é dela...Juro!
Fotos de Jorge Teixeira, M. carmelita Jorge Felix e Francsico Allen

P153-Os novos membros da nossa Tertúlia

Temos cada semana vindo a noticiar o aparecimento de novos membros da Tertúlia que marcando presença no almoço das quartas, formalizam a sua entrada para esta grande família da Tabanca de Matosinhos.
Quando se despedem dos seus antigos companheiros, após o almoço, sentem-se melhores, mais leves, mais bem dispostos.
Encontraram no nosso espaço um lugar onde finalmente puderam falar de tantas memórias quantas vezes reprimidas durante sei lá quantos anos. Encontraram pessoas que falavam a sua linguagem e que comungavam de vivências e medos semelhantes.

No entanto há outras formas de estar na nossa Tabanca.


No passado dia 17, onze membros da Tabanca de Matosinhos quiseram acompanhar a viúva de um camarada do António Batista que com menos sorte que este, pereceu, fazia exactamente 37 anos em terras da Guiné na emboscada de má memória do Quirafo.

Foi uma cerimónia naturalmente muito emocionante e que nos tocou profundamente a todos.
Depositou-se uma coroa de flores no seu túmulo, tendo ao acontecimento, sido dado o merecido relevo no Blogue da Tabanca Grande. Deixo aqui e desde já um agradecimento muito especial ao Paulo Santiago e à jovem Cátia Félix que ajudaram de forma decisiva a Cidália Ferreira, a viúva do António Ferreira a superar a dolorosa recordação que o momento revestiu.


A cerimónia serviu igualmente para entronizar o António Ferreira a título póstumo como nosso camarada tertuliano da Tabanca de Matosinhos.



Ele irá estar sempre presente nos nossos almoços se não física pelo menos em espírito na nossa memória colectiva.



Claro que comunicamos à Cidália e à Cátia que elas ficarão com a incubência do o representarem sempre que para isso estejam dispostas , comparecendo nos nossos almoços das quartas.

Álvaro Basto

quarta-feira, 22 de abril de 2009

P151-Crianças da Guiné e a Tabanca de Matosinhos

Na sequência da deslocação a Portugal de duas crianças da Guiné Bissau para serem avaliadas e operadas ao coração, conforme noticia que se reproduz abaixo, com a devida vénia à SIC, esteve hoje a almoçar connosco o Dr. Augusto Bidonga, natural de Catió e Director Clínico da Clínica de Bor que se vocacionou para as doenças pediátricas.












Da conversa que fomos tendo ao longo do almoço ressaltou a incomensurável e já pródiga falta de meios com que se debate para fazer face a tantos casos desesperados de crianças que poderiam ser salvas de uma morte antecipada se tivessem ajuda externa.
Como gente habituada a arregaçar as mangas e a passar rápidamente à acção, logo ali se estabeleceu a criação de uma Bolsa de Familias de Acolhimento para as crianças que tenham a sorte de vir a poder beneficiar do tratamento hospitalar que necessitam.
Trata-se de uma área onde nos afirmaram ser grande o déficite, já que as mesmas não podem trazer acompanhantes familiares e na maior parte dos casos necessitam de cuidados ambulatórios do pós-operatório não havendo nenhuma Intituição que a isso se dedique.
Afinal muitos de nós temos um quarto lá em casa disponível e tempo para levarmos as crianças às consultas durante o período que por cá tenham que permanecer.

A lista já começou a circular e todos serão benvindos nesta ajuda que pode traduzir-se na viabilização de uma intervenção cirurgica destinada a dar vida a uma jovem vida.
Por isso, se quiserem e reunirem condições para dar este apoio, podem increver-se através do meu email (alvarobasto@gmail.com) indicando um nr. de telefone de contacto.
Álvaro Basto

segunda-feira, 20 de abril de 2009

P150-35º Aniversário do 25 de Abril




É no próximo sábado.
Com o 25 de Abril acabou a guerra, mas com ele tivemos também:














A Comissão Promotora das Comemorações do 25 de Abril na Cidade do Porto
(Associação 25 de Abril, URAP, USP, AJANorte, MDM, Mov.Paz, Federação das Colectividades do Distrito do Porto) tem este programa:




sexta-feira, 17 de abril de 2009

P149-As caras novas das nossas quartas-feiras

Como vem sendo habiual, nesta última quarta-feira, caras novas (e algumas bem bonitas), apareceram no almoço para connosco confraternizar.
Aqui ficam as imagens

O Manuel Teixeira dos Santos que estve no Xitole no plotão de morteiros em 72/74


O Paulo Santiago o Zé Teixeira, a Maria Luis Santiago (filha do Paulo Santiago) e a Cátia



O Paulo Santiago a Maria Luis e a Cátia (na mesa da presidência)


O Batista e o Mário Migueis



P148-A emboscada do Quirafo foi há 37 anos

17 de Abril de 1972 foi uma data fatídica para uma série de camaradas nossos que nos deixaram de forma abrupta e traiçoeira.
Nesse dia o Batista, deitado no chão após o enorme rebentamento das granadas de "bazooka" que íam pousadas dentro da GMC onde ele se tinha empoleirado, viu aproximar-se um "turra" e deitar-lhe a mão ao cano da espingarda para ver se estava quente ou frio. Felizmente estava frio pois o terror tinha-o paralizado... estava salvo por agora. O tiro de misericórdia que lhe estava destinado ficou reservado para outros que se contorciam com dores no chão.
Foi levado pelos guerrilheiros, desarmado pelo mato em coluna que o fizeram atravessar o rio Corubal por um caminho de pedras submersas e viu a água subir-lhe pelo corpo acima até ao pescoço. De repente pensou que não sabia nadar... não morri da emboscada e vou morrer aqui afogado, pensou.... mas a água foi lentamente descendo e finalmente estava do outro lado.
O Batista e o Mário Migueis que juntamente com o Paulo Santiago,
muito têm contribuído para o deslindar da verdade dos factos
Esperavam-no longos meses de doloroso cativeiro.
Foi um dia de pesadelo para os poucos que sobreviveram e para os que foram em socorro das vítimas. Imaginaram-se cenas, especularam-se hipóteses. No princípio nem se sabia ao certo quantos faltavam.
37 anos depois, alguns dos nossos camaradas da Tabanca de Matosinhos, entre os quais, alguns que viveram aquela tragédia no local, vão depositar uma coroa de flores no túmulo do António Ferreira no cemitério de Águas Santas juntamente com a Cidália, a sua viúva, prestando desta forma uma singela homenagem a todos quantos nesse dia pereceram em tão traiçoeira emboscada.
A nossa imaginação exacerbada pelo horror da tragédia e as nossas recordações incompletas e distorcidas pelo tempo, fizeram a Cidália acreditar que o seu amado António Ferreira poderia ter sido capturado vivo e à semelhança do que aconteceu com o Batista, um dia ainda regressar para o seio dos seus.
Arrumadas as ideias e refeitos os factos, infelizmente ficou comprovado que não.
O seu corpo descansa em paz no túmulo que lhe reservaram na sua terra natal.
Bem hajam todos quantos se têm esforçado pela determinação da verdade dos factos.
Álvaro Basto

quinta-feira, 16 de abril de 2009

P146-"Manga di Ronco" na Grande Tabanca de Matosinhos

Hoje tivemos a alegria, a honra e o prazer de ter connosco à mesa, o Régulo de Sinchã Shambel. O Suleimane Shambel Baldé, querido amigo e camarada dos meus tempos em Mampatá Forreá.



O Suleimane a assinar o quadro de Honra da Tabanca de Matosihos



O Carvalho a abraçar o Suleimane que conheceu era este cabo milicia comandado pelo Paulo Santiago no Pel.Cac.Nat 53


Filho do Régulo Shambel de Contabane (entre Aldeia Formosa e Saltinho), viu a sua Tabanca ser totalmente queimada no dia 22 de Junho de 1968, num violento e longo ataque do PAIGC . Os dois grupos de combate aí estacionados da C.Caç 2382, regressaram a Aldeia Formosa, com a roupa que tinham no corpo, dois dias depois, exactamente no dia em que eu lá pelo norte em Ingoré, me divertia numa Marcha de S. João. A guerra tinha destas coisas.

Ingoré 1968 -Marcha de S. João

Todas as moranças, e bens pessoais da população e dos militares fora destruídas pelo fogo. Restaram cinzas e lágrimas.
A população distribuiu-se numa primeira fase por Aldeia Formosa, Saltinho, Mampatá Forreá, etc. até ser reagrupada em Sinchá Shambel,( nome que quer dizer “terra de Shambel” em honra de seu pai) no Saltinho.
Um mês depois coube à minha Companhia fixar-se na zona, onde ficou até ao fim da Comissão.
O Suleimane, começou por fixar-se em Mampatá no grupo de milícia, onde nos conhecemos, depois foi para a Chamarra. Como pelos lados de Gandembel a “festa” aquecia, foi deslocado para lá, tendo passado uns tempos em Ponte Balana.
Decidida a retirada estratégica desses destacamentos, o Suleimane foi colocado de novo na Chamarra e posteriormente foi engrossar o Pelotão de soldados nativos organizado e comandado pelo Paulo Santiago no Saltinho.
Hoje, com 73 anos bem vividos e bem conservados, quatro mulheres e 21 filhos, vive, tanto quanto nós, os combatentes da “Metrópole”, a nostalgia daqueles tempos. Recorda, nomes, fisionomias, tiques de antigos comandantes e camaradas. Quer revê-los, abraçá-los. Recordar aventuras e estórias, momentos de luta, sofrimento e dor, bem como momentos de alegria e festa que também tivemos.

Buba 2005-Pista de aviação transformada em zona de habitação
Em 2005, quando voltei à Guiné, tive o grato prazer de, numa terra onde nunca tinha estado ( Saltinho) ser reconhecido e ouvir chamar pelo meu nome – “Tissera”. Uma bonita e simpática senhora, não hesitou em vir ao meu encontro e identificar-se como filha do Aliu Baldé de Mampatá e “mindjer” do Suleimane Shambel Baldé, soldado milícia em Mampatá, dos velhos tempos da minha juventude. Era a Ádada, “bajuda bonita” daqueles tempos e que ainda “guarda” essa beleza. Foi um choque emocional tremendo e gratificante. Só por si, valeu a pena voltar à Guiné. O Suleimane estava fora, pelo que não nos pudemos abraçar
A Mãe do Suleimane, hoje, com 98 anos bem vividos, veio receber-me num abraço apertado e lágrimas nos olhos, gritando: Branco na volta, branco na volta !
O Ano passado, voltei. A Ádada voltou a receber-me com carinho e tive o prazer de abraçar o Suleimane.
Agora, foi a vez de ele nos vir visitar.


Saltinho 2005 - Viúva de Sjambel - Régulo de Contabane

A Ádada Mulher do Suleimane


Um nome – Capitão Rui, onde está? Era o Capitão da C. Caç. 2382 que defendeu a população de Contabane, no terrível ataque de Junho de 1968.
Outro nome – “Alfero” Barbosa (muito alto), da minha companhia com quem conviveu na Chamarra (infelizmente já falecido)
Obrigado Suleimane, por estes belos momentos que voltamos a reviver.
Zé Teixeira
Fotos de Alvaro Basto e Zé Teixeira

quarta-feira, 15 de abril de 2009

P145-A festa de anos do Pimentel

Mais uma quarta-feira, desta vez, animada não só pela confraternização habitual de quem tem tantas histórias para contar, mas também pela festa de anos do Pimentel e pela presença de gente "grande" da Guiné.

Fica aqui para já o registo em vídeo do "soprar das velas" do Pimentel que como poderão atestar, continua com um "folgo" de juventude invejável...para a idade!!!!

O restante das fotos virá a seu tempo


video

P144-SEMENTES PARA A GUINÉ

Na Tabanca de Matosinhos a sementeira continua a crescer.

Saldo anterior .............................................340.00 €
- Picado........................................ 20.00
- Carlos vinhal ..............................20.00
- Hernani Figueiredo ...................20.00
- Alice Carneiro ( L.Graça)..........20.00
- Domingos Machado................. 20.00
- A. Marques Lopes ....................20.00
- Abilio Machado .........................20.00
- Eduardo Carlos......................... 20.00
- Vasco Ferreira.......................... 20.00
- Armindo Oliveira........................ 20.00
- Francisco Augusto..................... 20.00
- Armando Rua............................. 20.00
- Jorge Félix ..................................20.00
- Isidro Lopes ...............................20.00
- Nelson......................................... 20.00
- Paulo Santiago.......................... 20.00
- ? ..................................................20.00
- ?.................................................. 20.00.... 360.00
Total............................................................ 700.00 €

segunda-feira, 13 de abril de 2009

P143-Quarta feira de Grande Ronco

Na quarta passada foi batido o recorde de 40 camaradas.
Nunca tínhamos tido tanta gente à mesa ao mesmo tempo, às quartas-feira .
O cheirinho do Chabéu e a visita dos nossos Homens Grandes, Luis Graça e Carlos Vihal, editores do Blogue mãe, que se fizeram acompanhar das suas simpáticas e já "nossas camaradas" esposas, foram mais que motivos para chamarem tanta gente.
O Luis já relatou de uma maneira eloquente o que foi a nossa festa.
Vejam os Post 4158-Hoje houve Ronco na Tabanca de Matosinhos e o Post 4159-Mais Fotos do Ronco da Tabanca de Matosinhos.

Com as fotografias que recebi do Silvério Lobo, do Jorge Teixeira e do Carmelita fiz este filma bem elucidativo do que foi aquele almoço memorável.



P142-o nosso cantor lírico Carlos Costa

Esteve prisioneiro na antiga Indía Portuguesa e é um dos nossos mais recentes Tertulianos da Tabanca de Matosinhos. Homem de raros dotes já retratados no Blogue-Mãe pelo Luís Graça no seu Post 4161 com o título "Canto Lírico na Tabanca de Matosinhos".
Para melhor se avaliar o que por lá se ouviu, aqui deixo umas imagens do Carlos a cantar "Oh Coimbra do Mondego" num espectáculo que o grupo "Do Choupal até à Lapa", onde participam também os nossos camaradas David Guimarães e Manuel Martins (este, ainda bem recentemente almoçou connosco), deu numa casa de espectáculos bem conhecida aqui no Porto.
Espero que gostem

Álvaro Basto



P141-Numa mão a espada e noutra a viola

Ora aqui está a prosa irreverente mas quase poética do nosso querido camarada David Guimães com memórias do Xitole onde esteve antes de mim.

Bem acho que eventualmente ao menos eu, que tenho pouco jeitinho para prosa e para retórica enfim, sou como me conhecem, falo alto e sou entusiasta no que digo, disse um dia bem baixinho ao Jorge (PORTOJO), num Mail que lhe enviei que Xaveu se escrevia de outro modo - comer claro sempre pela boca... É evidente que ele até achou piada que eu enviasse receita - ela está aí bem na NET - pronto, para que iria eu "plagiar" uma coisa para meter no blogue e armar-me em cozinheiro, logo eu que tenho horror a cozinhas - disse cozinhas não a cozinhados...


O chabéu esteve óptimo, foi uma ideia bela mas contudo - faltaram as sardinhas, prato forte e predilecto da nossa Tabanca. O mais giro foi que dei uma boleia a um amigo que me disse: "pôrra" Guimarães que até estou meio enfartado... eu disse somente: - comeces menos... Então isto para dizer que apesar de faltarem as sardinhas o frango chegou e bem, pelos vistos e todos gostamos...
Eu é que nunca me chateio quando me perguntam... Guimarães já pagaste? Guimarães já deste alguma coisa para as sementes? Esta é a paga que tenho rodas as semanas e afinal só me safo disso quando não vou à Tabanca... É perseguição mesmo...
E…..conheço Mampatá, Guileje, e isto e aquilo... as grandes batalhas que se deram aqui e acolá - lá bem na nossa Guiné - eu digo nossa porque como todos temos uma rua, uma quinta porque não ter a nossa Guiné...e mais. É o Mampatá, é Bedanda, é Có e o Saltinho, Bambadinca etc etc etc... Como filho que todos somos do Blogue Grande decerto que o sector por onde eu andei já foi tratado exaustivamente e a guerra já acabou por lá... E pronto fala-se em Cussilinta, colónia Balnear bem perto de "Cambessé" e "Sincha-Madio" a uns cinco Quilómetros de Tangali, a uns 8 da Ponte dos Fulas e que estavam á guarda de uma Companhia que estava sediada no Xitole.... Muita gente que conhece a ponte dos Fulas e Cussilinta perguntaram-me onde era Xitole... Pois é que agora com a estrada alcatroada já nem se passa no Xitole bem mas um tanto ao lado e como cada ex-combatente que vai á Guiné vai ver a sua terra pronto - que se lixe o Xitole... O Xitole tem história e teve bem guerra e sei que ainda hoje existe a marca no antigo depósito de géneros - que ainda lá está - de uma granada que lá entrou num fim de tarde de um dia do ano de 1971 e partiu uns garrafões de vinho... Nenhuma granada mais lá acertou e ainda bem, e foram muitas quando para lá foi morar um Morteiro 107 milímetros... etc etc etc... Sendo que o Saltinho por exemplo já tinha sido antes de ser companhia, um destacamento do Xitole.
Eu afinal estou a dizer isto tudo para justificar uma fotografia que eu desconhecia e me fizeram o favor de me enviar como prenda de Páscoa - foi um ex-camarada da CCS que o destino um dia quis que fosse projectado pelo para brisas de uma GMC e fosse evacuado... vá lá coseram-no bem os cirurgiões para a altura, e hoje manda uma cicatriz desde a cabeça até isso mesmo que pensam...
Ora bem, é uma estada de piras (seis meses mais ou menos) que chegaram há pouco ao mato da Guiné, ano de 1970 e fácil é ver pelas botas muito bem conservadas ainda... pois aí era onde os sargentos comiam - MESSE DE SARGENTOS...
Camões diz: "numa mão a espada e noutra a pena" eu mudei a espada pela viola e o Meirinho também - numa mão a espingarda e noutra a viola.



Da esquerda para a direita – O Arlindo e Rodas que era furriel miliciano atirador da CCAC 12 e mora em Setúbal. A seguir o Furriel Mecânico Cabete que vive na Figueira, eu, atrás o Sargento Santos de Leiria, o Furriel Rei atirador que vive em Azeitão, o Ribeiro atirador, esse de bigode que vive aí em Leça, atrás o Martins que era o Furriel Ranger que vive para os lados de Lisboa e o outro da Viola é exactamente o "saudoso" Furriel Enfermeiro Meirinho que o Álvaro Basto substituiu...


Aí está o local onde os sargentos comiam na altura - para memória de quem pelo Xitole passou...


UM ABRAÇO,
DAVID GUIMARÃES